PCDF investiga se organização criminosa agiu para fraudar Enem 2017


A Polícia Civil do Distrito Federal investiga se a organização criminosa que atuava na Máfia dos Concursos também chegou a bolar um esquema para fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Na segunda fase da operação Penoptes, deflagrada nesta segunda-feira (30/10), a corporação não descarta o envolvimento da quadrilha em editais de vestibulares. Até este momento, há uma lista com mais de 100 suspeitos de ter comprado vagas em concursos públicos. 
De acordo com o delegado-adjunto da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco), Adriano Valente, o preço das vagas variava de acordo com o edital e salário. "Não há uma regra, mas há uma suspeita de que seja pelo menos 20 vezes a mais do que o oferecido", comentou o delegado. Segundo as investigações, a organização criminosa atuava aliciando possíveis clientes em frente ao cursinhos preparatórios.
Segundo o delegado, um dos envolvidos no esquema começou como cliente. André Luiz Santos Pereira chegou a comprar uma vaga, e depois ajudou a organização a conseguir mais clientes. Ele também foi pego na operação Patrick da PCDF, que desarticulou um esquema de venda de moedas online, a Kriptacoin. A suspeita é de que o dinheiro ganho com a fraude nos concursos fosse investido nesse outro esquema. 
Além de André, Ricardo da Silva do Nascimento e Weverson Vinícius da Silva também tiveram prisão preventiva decretada. O primeiro era funcionário do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), o antigo Cespe, desde 2014, e estima-se que desde o ano passado, ele participava da associação. Em 2016 ele chegou a movimentar R$ 1 milhão, segundo os investigadores. 
Já Weverson é suspeito de trabalhar como "braço-direito" de Ricardo. Ele aliciava novos compradores e chegava a dizer que não havia vagas no concurso, a não ser aquelas oferecidas por eles. "Não há um número certo de concursos que eles tentaram fraudar. Cada certame que era aberto, eles tentavam", explicou o delegado-adjunto. 
Outras duas pessoas foram presas temporariamente. Alda Maria de Oliveira e Milson Iran da Silva também aliciavam candidatos para vestibulares de medicina. Os dois foram ouvidos, confessaram o crime e foram liberados. 
Segundo o delegado cartorário da Deco, Maurílio Coelho, todos aqueles que forem apontados como compradores também devem responder criminalmente e podem ser exonerados do cargo. "A Polícia Civil vai chegar em todo mundo, então quem quiser se antecipar, pode se apresentar na delegacia", afirmou.

Related Post

PCDF investiga se organização criminosa agiu para fraudar Enem 2017 BLOG DO CARLOS DEHON Rating: 5 segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...