Rádio Líder Online de Acopiara

Amigo diz que jovem morto pelo pai era da ´linha de frente´ de ocupações



Amigos do estudante de matemática Guilherme Silva Neto, de 20 anos, que foi morto pelo pai, dizem que ele é símbolo da luta de movimentos sociais e da resistência contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos. O crime aconteceu após uma briga relacionada ao envolvimento do rapaz com a ocupação de unidades de ensino em Goiânia. Após atirar contra o filho, o engenheiro civil Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos, cometeu suicídio.
“Ele era uma das pessoas mais combativas, da linha de frente. Apesar de ter uma família reacionária, ele sempre defendeu seus ideais. Ele é um símbolo da resistência contra a precarização da educação. Ele morreu defendendo o que acreditava, morreu pela luta”, disse um estudante de filosofia, de 19 anos, que era amigo de Guilherme.
O amigo da vítima estava entre os estudantes que ocupavam prédios da Universidade Federal de Goiás e que organizaram, na sexta-feira (18), um ato em homenagem a Guilherme e contra a PEC. Em um ponto do protesto, eles fizeram um minuto de silêncio e, em seguida, deram uma salva de palmas: "Guilherme, orgulho de você. Você fez parte da maior ocupação da UFG".
Dois dias antes, na quarta-feira, também ocorreram homenagens ao rapaz durante outro protesto. Em uma das paredes da UFG foi pichada a frase: “Guilherme eterno. Lutar sempre, desistir jamais!”.
Outro amigo da vítima, Gabriel Soares relata que Guilherme fazia desabafos sobre os problemas que tinha em casa. “Ele contava sobre os abusos psicológicos que o pai dele fazia. Ele xingava bastante o Guilherme. O pai não sabia aceitar o posicionamento dele”, declarou.
Parentes do estudante de matemática também dizem que Alexandre não concordava com o comportamento e o modo de ser do filho, considerado "alternativo e revolucionário". Segundo uma tia, que preferiu não ser identificada, Guilherme "queria mudar o mundo". Ele desejava "ser diferente, mas o pai não aceitava".
Em uma conta nas redes sociais, Guilherme demonstrava interesse em assuntos ligados a questões sociais e política. Além disso, ele também participava de comunidades de assuntos como o fim da cultura do estupro, legalização do aborto e se posicionava contra a gestão de Organizações Sociais (OSs) na Educação.
Crime
O crime aconteceu na terça-feira (15), na esquina da Rua 25-A com a Avenida República do Líbano, na quadra acima de onde a família mora. De acordo com a Polícia Civil, o homem baleou o filho, que fugiu, mas foi perseguido e alcançado.
Após matar Guilherme, Alexandre se debruçou sobre ele e atirou contra si. O engenheiro foi socorrido e levado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), mas também morreu.
Um vídeo mostra o momento em que a mãe de Guilherme, a delegada aposentada Rosália de Moura Rosa Silva, chega ao local do crime. Desesperada, ela diz: ”Meu filho. Por que ele fez isso?”.
O corpo do estudante foi enterrado na tarde de quarta-feira no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. Familiares e amigos, que acompanhavam Guilherme em protestos e ocupações de escolas, estiveram no local para se despedir dele. Já o corpo do pai foi enterrado no Cemitério Vale da Paz, sem velório.
Fonte: G1 GO

Related Post

Amigo diz que jovem morto pelo pai era da ´linha de frente´ de ocupações BLOG DO CARLOS DEHON Rating: 5 sábado, 19 de novembro de 2016

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...